Dricontabil

Anuncie sua Empresa e Seu negócio Aqui!!!

Mercado Financeiro

Aprenda a Operar na Bolsa!!!

Gráfico De Ações na Bolsa

Análise do Gráfico!!!

Investimento Financeiro é Aqui!!!

Tudo sobre Bolsa de Valores

quarta-feira, 1 de abril de 2015

SBSP3 - FECHAMENTO - 31/03/2015


Resultado de imagem para SBSP3 logo
Ativo acionou a nossa entrada hoje, entra em nossa carteira, fechando a R$ 17,71 uma alta de 5,85%, tem tudo pra chegar ao nosso objetivo, mas o mercado é soberano, vamos aguardar.







Fonte: Aplicar na Bolsa

terça-feira, 31 de março de 2015

Imposto de Renda, Veja quando vale a pena incluir dependente

Saiba quando é mais vantajoso fazer a declaração completa do IR (Editoria de Arte/G1)

Antes de incluir um dependente na declaração do Imposto de Renda, o contribuinte deve avaliar se haverá, de fato, algum benefício ou se a informação adicional vai gerar mais impostos a pagar.

Na declaração deste ano a Receita Federalpermite que sejam deduzidos até R$ 2.156,52 por dependente.

Para mostrar em quais situações a inclusão do dependente é vantajosa, o G1 consultou os especialistas em tributação: Vanildo Veras, diretor de Inteligência Fiscal da Datanil, Michel de Amorim, da Consultoria Drummond, Gisely de Oliveira Fortes, do escritório LCDiniz & Advogados Associados, e Adilson Luizão, professor do curso de Ciências Contábeis da Universidade São Judas Tadeu.

Quando o dependente tem rendimentos, é preciso somar os gastos com saúde, o limite de abatimento por dependente e por gastos com educação. Se constatar que a somatória é inferior ao total dos rendimentos tributáveis, mantê-lo como dependente poderá aumentar o valor do imposto a pagar ou diminuir o valor do imposto a restituir.
A renda do dependente não pode ser maior que R$ 5.532,35 mais os gastos com saúde. Esse valor é a soma desconto por dependente (R$ 2.156,52) mais os gastos com educação, que podem ser no máximo de R$ 3.375,83. Além dos descontos fixos, também podem ser descontados os gastos de saúde do dependente, que não têm limite.

“No caso de um dependente que tenha rendimentos tributáveis de R$ 16.000,00. Considerando a dedução de R$  2.156,52 por dependente, mais R$  3.375,83 de limite dedutível dos gastos com instrução do dependente, mais, por exemplo, R$ 2.400,00 de despesas com saúde do dependente. Dá um total de R$ 7.932,35. Neste exemplo, seria acrescido o valor de R$ 8.067,65 na base para cálculo do Imposto de Renda do declarante,”, disse Vanildo Veras, diretor de Inteligência Fiscal da Datanil.

Em alguns casos, para ser dependente, é necessário também é necessário ter a guarda judicial. Portanto, caso a perca, é preciso excluir imediatamente o dependente.

Mesmo quem já fez a declaração deve avaliar se a inclusão do dependente foi um bom negócio, já que até o dia 30 de abril é possível fazer a retificação. Se o dependente gerar mais imposto, o contribuinte poderá retificar.

Deverá ser excluído da relação de dependência:
a) a ex-esposa ou ex-companheiro no ano seguinte ao da separação.
b) filho ou enteado é considerado dependente até os 21 anos. No ano seguinte ao que completar 22 anos deve ser excluído (no ano do aniversário pode permanecer, independente do mês de nascimento)
c) filho ou enteado que cursa universidade ou ensino técnico é dependente até os 24 anos. No ano seguinte ao que completar 25 anos, deve ser excluído.
d) Qualquer dependente pode ser mantido na declaração no ano do falecimento (independente do mês do óbito). No ano seguinte, deverá ser excluído.
Fonte:G1

OAS pede recuperação judicial, Investigada pela Lava Jato

Investigada pela Lava Jato, OAS pede recuperação judicial (Divulgação)

Investigado por suposto envolvimento em corrupção pela operação Lava Jato, da Polícia Federal, o Grupo OAS apresentou nesta terça-feira (31), à Justiça de São Paulo, pedido de recuperação judicial de nove de suas empresas, segundo comunicado divulgado pela própria companhia. 
O pedido inclui a Construtora OAS, OAS S.A., OAS Imóveis S.A., SPE Gestão e Exploração de Arenas Multiuso, OAS Empreendimentos S.A., OAS Infraestrutura S.A., OAS Investments Ltd., OAS Investments GmbH e OAS Finance Ltd.
"A iniciativa foi o melhor caminho encontrado pelo Grupo para renegociar suas dívidas com credores e fornecedores diante da intensa restrição de crédito verificada desde o final do ano passado. A OAS decidiu também que concentrará esforços naquilo que é sua principal vocação, a construção pesada", diz o grupo em nota.
No comunicado, Diego Barreto, diretor de Desenvolvimento Corporativo da Construtora OAS, afirma que a construtora entrou com pedido de recuperação não por falta de liquidez, mas por questões técnicas, uma vez que é garantidora dos financiamentos do grupo.
Junto com o pedido de recuperação judicial, a OAS também informou que vai colocar à venda suas participações na Invepar (24,44% do negócio), a fatia no Estaleiro Enseada (17,5%), na OAS Empreendimentos (80%), na OAS Soluções Ambientais (100%), na OAS Óleo e Gás (61%) e na OAS Defesa (100%), além da Arena Fonte Nova (50%) e da Arena das Dunas (100%).
Segundo a empresa, após o deferimento do pedido de recuperação pela Justiça, o grupo terá 60 dias para apresentar o plano de reestruturação das dívidas aos credores e fornecedores,
que terão mais 120 dias para discutir e aprovar a proposta.
"As dívidas contraídas até a data de hoje (31 de março) serão congeladas e renegociadas. Todas as que forem feitas a partir do mês de abril serão integralmente cumpridas. Pagamentos de salários e benefícios de colaboradores não serão afetados pelo processo de Recuperação Judicial. De forma direta ou indireta, são mais de 100 mil colaboradores envolvidos", afirma o texto.
Envolvimento na Lava Jato
Quatro executivos da OAS foram presos por conta da Lava Jato: o presidente da empresa, José Adelmário Pinheiro Filho; o vice-presidente do Conselho de Administração Mateus Coutinho de Sá Oliveira; o diretor Agenor Franklin Magalhães Medeiros e o funcionário José Ricardo Nogueira Breghirolli.
Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal negou um pedido de liberdade apresentado pelos quatro executivos.
A OAS teve o nome relacionado à Operação Lava Jato em novembro de 2014, quando a Polícia Federal deflagrou a sétima fase da investigação
Fonte: G1

Petrobras propõe reajuste de 13% para diretores

Petrobras propõe reajuste de 13% para diretores (REUTERS/Sergio Moraes)

Petrobras propôs aumentar em 13% a remuneração anual dos oito diretores da companhia em relação ao ano passado. A proposta foi encaminhada aos acionistas da empresa, para ser votada em assembleia geral da companhia, marcada para 29 de abril. A alta proposta supera a inflação de 2014, que ficou em 6,14%.
Segundo o texto, a Petrobras propôs uma remuneração total de R$ 19,9 milhões aos diretores este ano – em 2014, foram R$ 15,4 milhões. No ano passado, no entanto, a estatal tinha sete diretores, ante os oito atuais (após as denúncias de corrupção, a Petrobras criou, em janeiro, a diretoria de Compliance, sob comando de João Elek Junior).
Por diretor, a remuneração total proposta passaria de R$ 2,2 milhões para R$ 2,48 milhões anuais, uma alta de 12,9%. Esse valor inclui salários, bônus por desempenho, participação nos resultados, moradia, assistência à saúde, planos de previdência, INSS e FGTS.
Já para os membros do Conselho de Administração, a proposta é que a remuneração total passe dos R$ 156,2 mil anuais em 2014 para R$ 169,7 mil este ano – uma alta de 8,6%. O conselho tem dez membros, mas o presidente da estatal, Aldemir Bendine, que também faz parte dele, não recebe remuneração por essa participação.
Mais salário, menos remuneração variável
Enquanto a Petrobras passa pela maior crise de sua história, a proposta de remuneração para os diretores prevê um aumento maior nos salários e menor das remunerações variáveis.
Em salários e pró-labore (incluindo 13º e férias), a estatal propõe pagar R$ 12,8 milhões no ano à diretoria – ou R$ 1,6 milhão para cada um dos oito diretores. Em 2014, o valor ficou em R$ 9,1 milhões, equivalente a R$ 1,3 milhão por diretor.
Em participação nos resultados, a proposta é de redução de R$ 255,7 mil para R$ 92 mil por diretor – uma queda de 64%. Já o bônus por desempenho, fixado em R$ 87,9 mil por diretor em 2014, é zerado pela proposta.
Fonte:G1

Dólar vira e passa a operar em baixa

Dólar vira e passa a operar em forte baixa após déficit do governo (Marcos Santos/USP Imagens)

Após abrir em alta, o dólar virou e passou a operar em forte baixa ante o real nesta terça-feira (31), com investidores monitorando os comentários do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, no Senado, e avaliando dados fiscais do governo brasileiro. Durante a manhã, foi divulgado que o governo teve déficit superior a R$ 7 bilhões.
Às 14h15, a moeda norte-americana recuava 0.86%, a R$ 3,2039 na venda. Veja cotação.
"Estamos vendo mais um reflexo ao movimento interno do que externo", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo, acrescentando que o mercado avalia positivamente a atuação de Levy na condução das mudanças necessárias para a economia.
As questões locais faziam com o que o cenário local se descolasse do mercado externo, onde o dólar subia cerca de 0,4% em relação a uma cesta de moedas.

Além da presença de Levy em comissão no Senado, o dia também era marcado pela disputa pela formação da Ptax, taxa calculada pelo Banco Central que serve de referência para diversos contratos cambiais.

O dólar abriu em alta de cerca de 1% frente ao real, com os negócios influenciados por dados fiscais do governo central que mostraram déficit primário de R$ 7,4 bilhões no mês passado, o pior resultado para meses de fevereiro na série iniciada em 1997. Mais tarde, o Banco Central divulgou que o setor público brasileiro apurou déficit primário de R$ 2,3 bilhões em fevereiro.

Em meio a essas divulgações, Levy deu início a sua participação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, afirmando que a recuperação da economia brasileira vai depender "de grande parte" da ajuda de Estados e Municípios e que a segurança tributária é importante para retomar investimentos.

"O mercado avalia que (o ministro da Fazenda, Joaquim) Levy vai tomar decisões boas para a economia, esse é o mote do dia, o reflexo de boas expectativas", completou Galhardo.

Swaps
Nesta manhã, o BC fez a última intervenção diária no mercado de câmbio, vendendo a oferta total de 2 mil swaps cambiais, com volume equivalente a US$ 98,2 milhões. Foram vendidos 1,5 mil contratos com vencimento em 1º de dezembro de 2015 e 500 contratos para 1º de abril de 2015.

O Banco Central fez ainda nesta sessão dois leilões de venda de até US$ 2,5 bilhões ao todo com compromisso de recompra. Na operação que acontece entre 15h e 15h05, a data de recompra é em 4 de agosto de 2015 e, no leilão entre 15h20 e 15h25, a data de recompra é em 2 de setembro.
Na segunda-feira, a moeda norte-americana fechou em queda de 0,27%, a R$ 3,2317, após subir 1,55% na sexta-feira. Na máxima do pregão, a divisa chegou a ser negociada 
Fonte:G1

SBSP3 - Oportunidade de Compra

Resultado de imagem para SBSP3 logo
SBSP3 - 30/03/15 

Start de compra - R$ 17,01
Stop - R$ 16,39
Objetivo - R$ 18,87 

Operação com relação risco x ganho



Fonte: Aplicar na Bolsa

Mercado de Ações, pra começar o dia informado, Equipe Trader



Bom dia!

Veja abaixo algumas noticias preparadas pela equipe de analistas da Rico, para começar o dia bem informado:

Fique de Olho:

Neste último dia do mês, destaque para a série de indicadores reportados no mercado externo e que colaboram para a volatilidade das bolsas no dia, especialmente os números de inflação na Zona do Euro que ainda permanecem muito abaixo da meta do Banco Central Europeu. No Brasil, destaque para os números do resultado primário do setor público a serem divulgados as 10h30 e para o resultado primário do governo central de fevereiro apresentado há pouco e que foi divulgado pior do que as expectativas. No lado corporativo, destaque para os resultados corporativos do 4T14 apresentados entre a noite de ontem e esta manhã e para a forte queda do preço do minério de ferro nesta madrugada e que pode impactar negativamente nas ações de mineradoras no dia.

Mercados Globais:
 
Na Europa, os principais mercados do continente operam em baixa nesta manhã, após a divulgação de indicadores do mercado de trabalho e de inflação apresentados há pouco. Nos EUA, os índices futuros das bolsas também recuam, na expectativa dos indicadores a serem reportados. No Brasil, Ibovespa recua 0,7% em março e avança 2,5% no ano.
Corporativas:
 
Usiminas (USIM5): A Ternium informou que não teve conhecimento do conteúdo da carta que a Nippon Steel, sua sócia na Usiminas, encaminhou à CVM, mas reafirma que "trabalha dentro das exigências legais e contratuais". No comunicado, a Ternium reforça que transferiu 25 milhões de ações ordinárias da siderúrgica mineira à custódia da BMF&Bovespa, mas não fechou nenhuma operação de venda ou empréstimo de ações. "Importante destacar que não há nenhum impedimento legal ao processo de venda ou aluguel de ações da Usiminas e que qualquer operação que eventualmente venha a ser concluída será devidamente informada ao mercado, em estrita observância às normas aplicáveis", acrescenta a Ternium. A Nippon Steel entrou com uma representação na CVM denunciando uma "violação clara do acordo de acionistas e da lei brasileira por parte da Ternium" por conta do movimento que indicou a intenção de alugar parte de suas ações para poderem ser utilizadas na votação da próxima assembleia geral extraordinária (AGE) da companhia.

Usiminas (USIM5): A CSN deu novo passo em sua investida para tentar provar que houve mudança de controle na Usiminas com a chegada da argentina Ternium em seu capital social. Depois da negativa que obteve na semana passada na tentativa de ter o direito de exercer seu voto na próxima assembleia geral extraordinária (AGE) da siderúrgica mineira, que tratará da recomposição do conselho de administração, a maior acionista da siderúrgica mineira fora do bloco de controle entrou, na semana passada com nova petição no Cade, com o intuito de adicionar novos elementos probatórios à sua tese. O seu objetivo final, ao se tentar provar que houve mudança do controle, é receber 80% do valor de R$ 36, o tag along, que foi o valor pago por ação da Usiminas por Techint/Ternium à época da compra, o que para a CSN significaria R$ 1,7 bilhão. Se obtiver sucesso, o mesmo direito será repassado aos demais acionistas. Segundo apurou a Agencia Estado, o Cade deverá decidir se houve omissão de informações para a análise do caso e se irá, assim, rever se houve ato de concentração com a aquisição de participação na Usiminas pela Ternium, no início da próxima semana.


Vale (VALE5): o preço do minério de ferro recuou 3,6% no mercado a vista chinês e foi para US$51 a tonelada, renovando a mínima desde o ínicio de sua precificação em 2008. Apenas em março, o preço da matéria prima acumulou queda de 19%. Em 2015 o valor registra retração de 28,4%. Esse valor segue a referência do minério de ferro com teor de concetração de 62%, negociado no Porto de Tianjin, na China.


Braskem (BRKM5): A cia apresentou proposta de orçamento de capital para este ano, no valor total de R$ 2,333 bilhões, montante 7,6% abaixo dos R$ 2,526 bilhões investidos no ano passado. Na proposta de administração dirigida à assembleia de acionistas, a empresa detalha apenas que os investimentos serão feitos em manutenção, reposição, equipamentos, segurança, prevenção, projetos de expansão e outros. Os recursos, segundo a proposta, serão próprios, onde se inclui a retenção de lucros, e de terceiros.



ALL (ALLL3): A cia informou que celebrou contrato por meio do qual sua subsidiária integral ALL - América Latina Logística Intermodal vendeu a totalidade de sua participação acionária na Ritmo Logística à Novo Oriente Participações, que passará a deter 100% das ações de emissão da Ritmo. O preço total a ser pago pela Novo Oriente à ALL Intermodal será de R$ 55 milhões, a serem pagos em 66 parcelas mensais e consecutivas, corrigidas a partir de hoje de acordo com a variação do IGP-M, sendo que a primeira parcela terá vencimento no último dia útil de janeiro de 2016. Ainda conforme o fato relevante, o contrato de compra e venda prevê a necessidade de aprovação prévia do Cade.​


Hering (HGTX3): A Companhia propõe investimentos de R$ 101,189 milhões em 2015, segundo proposta apresentada a assembleia de acionistas, que acontecerá em 29 de abril. Segundo orçamento de capital, R$ 29,850 milhões serão destinados a lojas, R$ 30,177 milhões a tecnologia da informação, R$ 25 milhões à área industrial, R$ 14,629 milhões para logística. As fontes para os investimentos serão próprias: da reserva de retenção de lucros (R$ 52,328 milhões) e da geração de caixa da operação, que totalizará R$ 48,861 milhões.



​Arezzo (ARZZ3): O conselho de administração da cia aprovou a abertura de um programa de ações da companhia. Serão adquiridas até 4.238.629 ações ordinárias, representativas de 10% do total de ações em circulação. O prazo do programa é de até 365 dias, encerrando-se em 29 de março de 2016.
Bom dia e bons negócios.


quinta-feira, 26 de março de 2015

Mercado de Ações, pra começar o dia informado, Equipe Trader


Bom dia!

Veja abaixo algumas noticias preparadas pela equipe de analistas da Rico, para começar o dia bem informado:

Fique de Olho:
Nesta quinta feira, além da tensão instaurada no Oriente Médio, que pressiona os mercados financeiros globais, o mercado nacional ainda irá digerir a divulgação do relatório trimestral de inflação, em busca de mais informações acerca da condução da política monetária do país. No lado corporativo, além de notícias relevantes envolvendo empresas do setor de telecom, ainda há a expectativa pela divulgação de números do 4T14 de Cemig e CPFL.

Mercados Globais:
 
Os principais mercados europeus recuam nesta manhã, diante do aumento das tensões no Oriente Médio, envolvendo o conflito no Iêmen, que também impactam no preço do petróleo, que sobe 4,3%. Nos EUA, os índices futuros das bolsas também projetam uma abertura em baixa superior a 1% das bolsas no país. No Brasil, índice futuro abre em baixa de 0,5% e o dólar opera estável, cotado a R$3,200.


Corporativas:
 
Petrobras (PETR4): Em resposta a pedido de esclarecimentos da BM&FBovespa, a Petrobras reafirmou que ainda não há data definida para a divulgação dos balanços do terceiro trimestre de 2014 revisado e do ano de 2014 auditado. "A companhia reitera o que comunicou ao mercado em 20/03/2015, no sentido de que continua trabalhando para disponibilizar as demonstrações contábeis revisadas do terceiro trimestre de 2014 e as demonstrações anuais auditadas o mais breve possível. No entanto, ainda não há data definida para a divulgação", afirma, no comunicado.


Petrobras (PETR4): A modelagem encontrada pela nova direção da Petrobras para registrar no balanço as perdas decorrentes de atos de corrupção levará em conta os sobrepreços verificados nos projetos listados na investigação da Operação Lava Jato. Dessa forma, segundo apurou a Agencia Estado, foram contabilizados os valores iniciais de cada projeto e os acréscimos ao longo da obra. Ponderadas as justificativas, o valor final indica o eventual superfaturamento. De um modo geral, esse cálculo de impairment - atualização do valor dos ativos, excluindo o superfaturamento - dará a dimensão da perda acarretada para a companhia. Ou seja, se a obra não tivesse sido inflada em negociações suspeitas, quanto valeria. A metodologia, inclusive, já foi apresentada a conselheiros pelo diretor financeiro da estatal. Hoje (26), o conselho de administração se reúne para referendar os cálculos e avalizar as perdas a serem lançadas nos balanços do terceiro e quarto trimestres do ano passado. A reunião de conselho acontece a partir das 10 horas, no Rio de Janeiro.

Telefonica Vivo (VIVT4): A cia vai vender 281,2 milhões de ações para seus acionistas com o objetivo de reunir 3 bilhões de euros para a aquisição da empresa brasileira GVT. Em comunicado ao mercado publicado na quarta-feira, a Telefónica disse que as novas ações serão vendidas por 10,84 euros cada. A decisão foi tomada em uma reunião do conselho ontem, horas depois de a empresa espanhola receber a aprovação do Cade para a aquisição.

Telefonica Vivo (VIVT4): A espanhola Telefónica anunciou nesta quarta-feira que vai nomear o presidente da GVT, Amos Genish, como novo presidente-executivo da Telefônica Brasil, que opera sob a marca Vivo no país, uma vez que concluir a compra da filial de banda larga da Vivendi. Genish será o principal executivo da empresa, e o atual presidente da Telefônica Brasil, Carlos Valente, se manterá como presidente do Conselho de Administração, sem tarefas executivas. Nesta quarta-feira, o Cade aprovou a compra da GVT pela Telefónica, mediante condições previstas em acordos negociados entre as partes e o órgão antitruste. A previsão é que a aquisição da GVT seja concluída no primeiro semestre deste ano, segundo o fato relevante da Telefônica Brasil. 

​Oi (OIBR4): Em meio às dificuldades da Oi em ingressar no Novo Mercado, a administração da companhia está avaliando uma série de ações alternativas para garantir aos seus acionistas, o mais rapidamente possível, direitos semelhantes aos que teriam caso a empresa já estivesse no segmento de alta transparência da bolsa, afirmaram a Agencia Estado fontes próximas à companhia sob condição de anonimato. Uma das principais propostas em estudo é a conversão voluntária das ações preferenciais em ordinárias. A opção, no entanto, precisará ser aprovada pelos acionistas. A ideia da administração da companhia é apresentar a proposta ao seu conselho de administração. Após essa aprovação, a tele submeterá a pauta à assembleia de acionistas. A taxa de conversão seria a mesma definida no prospecto da oferta pública de ações, de 1 ação preferencial para 0,92 ação ordinária. Toda a base acionária poderá aceitar a opção, não apenas quem participou do aumento de capital.

Setor EducacionalO ministro interino da Educação, Luís Cláudio Costa, disse ontem não ser possível garantir que o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) abrirá novas vagas no segundo semestre. Segundo o ministro, o número de vagas disponíveis serão previamente anunciadas. "O que vamos fazer com o Fies a partir da próxima edição: a vaga será previamente anunciada". Até este ano, era possível solicitar o financiamento para o primeiro semestre entre os meses de janeiro e junho e, para o segundo semestre, entre julho e dezembro. Neste ano, porém, o governo alterou as regras e impôs uma data, 30 de abril, para que os pedidos fossem feitos. Outra das mudanças foi a exigência de uma pontuação mínima de 450 pontos no Enem para obter acesso ao financiamento.
 

Ser Educacional (SEER3): A cia assinou contrato para aquisição da mantença do Centro Universitário Bennet no Rio de Janeiro, informou nesta quinta-feira, dando continuidade ao processo de expansão na região Sudeste após a compra da Universidade Guarulhos (UnG), anunciada em dezembro. O acordo prevê a cessão da promoção de recursos e representação legal necessários para o funcionamento do Centro Universitário Bennet à Unespa, subsidiária da Ser. O contrato, firmado com o Instituto Metodista Bennet, prevê pagamento total de 10 milhões de reais à Metodista Bennet.

ALL (ALLL3) / Cosan Logistica (RLOG3): A ALL, a Rumo e a Cosan Logistica informam o ajuste da relação de substituição de ações da ALL por ações da Rumo, em função dos dividendos distribuídos por parte dessas duas empresas a partir da assinatura do protocolo de incorporação, a qual passou a ser de 2,87930 ações ordinárias da Rumo para cada ON da ALL. Com isso, segundo as companhias, todas as condições precedentes necessárias para a incorporação de ações foram obtidas, de modo que, a partir de 1º de abril as ações da Rumo (RUMO3) passarão a ser negociadas na Bovespa. Em decorrência deste processo as ações de emissão da ALL (ALLL3) deixarão de ser negociadas em 31 de março. ​Ontem​ foi publicada no Diário Oficial da União a aprovação final da incorporação pela ANTAQ, emitida em 19 de março, informam as empresas.


BM&FBovespa (BVMF3): O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) negou, em julgamento realizado ontem, o recurso da BM&FBovespa sobre a decisão tomada pelo órgão no fim de 2013, e manteve, assim, uma autuação que, se somando o principal, multa e juros, pode superar R$ 840 milhões, segundo cálculo de analistas. Em comunicado enviado ao mercado, a Bolsa afirmou que aguardará a publicação da decisão para "analisar, em conjunto com seus assessores legais, a estratégia recursal mais apropriada a ser adotada, reiterando, por fim, que continuará amortizando o ágio para fins fiscais". Para o Fisco, houve uma avaliação incorreta do patrimônio líquido da Bovespa Holding no momento da fusão com a BM&F em 2008, o que teria levado a um ágio indevido, fato que reduziu o montante de impostos pago pela empresa. O ágio é a diferença entre o valor contábil de incorporação de uma companhia e o montante efetivamente desembolsado na sua aquisição. Essa decisão negativa para a Bolsa já era aguardada por analistas.


​Usiminas (USIM5): A Ternium, controladora da Usiminas ao lado da Nippon Steel, alterou a custódia de cerca de 25% de sua posição acionária na siderúrgica mineira. Essa fatia corresponde àquela comprada pela companhia argentina em outubro do ano passado da Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, que são ações fora do bloco de controle. Conforme as fontes de mercado a Ternium alugaria essas ações, que representam quase 10% das ações ordinárias da Usiminas, para que as mesmas possam ser utilizadas na votação da Assembleia Geral Extraordinária (AGE), marcada para o próximo dia 06, quando será tratada a eleição do conselho de administração da companhia. O BTG Pactual, que detém fundos que acumulam cerca de 3,5% do capital votante da Usiminas, seria o forte candidato a alugar esses papéis, fortalecendo a hipótese de que a instituição financeira, a maior acionista minoritária da Usiminas, depois da CSN, irá indicar um nome ao conselho da companhia mineira. Um dos fundos do BTG, inclusive, que sozinho detém uma participação de cerca de 3% no capital votante da Usiminas, entrou na CVM pedindo o adiamento da AGE.

Brasil: a inflação anual medida pelo IPCA deve fechar em 2015 em 7,9%, recuar para 4,9% em 2016 e chegar a 4,7% ao fim do 1S17. Essa é a trajetória da inflação no cenário de referência do Banco Central. As projeções foram divulgadas na manhã desta quinta feira, no Relatório Trimestral da Inflação.

Brasil: O Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) ficou em 0,36% em março, mostrando desaceleração ante a alta de 0,50% registrada em fevereiro, divulgou a FGV. A taxa ficou ligeiramente acima do teto das estimativas dos analistas do mercado financeiro, que iam de 0,10% a 0,35%. O INCC-M acumula altas de 1,57% no ano e de 6,95% nos 12 meses até março.

​Brasil: a taxa de desemprego apurada pelo IBGE nas seis principais regiões metropolitanas do país ficou em 5,9% em fevereiro de 2015. O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas, que iam de 5,4% a 6,2%

Zona do Euro: A base monetária da zona do euro, ou M3, uma ampla medida do dinheiro disponível no bloco, subiu 4,0% em fevereiro ante igual mês do ano passado, segundo dados divulgados hoje pelo Banco Central Europeu (BCE). O resultado veio abaixo da expectativa de analistas, que previam aumento de 4,3%. Na média móvel de três meses até fevereiro, a oferta monetária teve alta de 3,8%, também menor que a previsão, que era de ganho de 4,1%. Na contramão, os empréstimos ao setor privado caíram 0,1% na comparação anual de fevereiro. Em janeiro, os empréstimos haviam apresentado redução de 0,2%.

Alemanha: O índice de confiança do consumidor subiu para 10,0 na pesquisa de abril do instituto GfK, de 9,7 em março. Este é o maior nível do índice desde outubro de 2001, quando o resultado ficou em 11,0. O instituto de pesquisa alemão utiliza dados do mês atual para estimar o indicador para o mês seguinte. Analistas previam que o indicador referente a abril subiria menos, a 9,9.

França: O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,1% no quarto trimestre de 2014 ante o trimestre imediatamente anterior, segundo números finais divulgados hoje pelo instituto de estatísticas Insee, que confirmam leitura inicial divulgada em fevereiro. O resultado veio em linha com a previsão de analistas. Na comparação anual, o PIB francês teve expansão de 0,2% entre outubro e dezembro do ano passado. Em todo o ano de 2014, a economia da França apresentou crescimento de 0,4%, informou o Insee.


Bom dia e bons negócios.

Fonte: Equipe Trader